» Utilização de nutrientes e morfometria intestinal de codornas Japonesas alimentadas com dietas contendo resíduo de própolis vermelha

    

1. O projeto
 
Este estudo será desenvolvido pela acadêmica Carolina Alves Pieroni, do 5º período do curso de Medicina Veterinária sob orientação da Profa. Dra. Maria Cristina de Oliveira no programa de Iniciação Científica da UniRV. Os tratamentos consistirão de níveis crescentes de inclusão de RPV (0, 0,3, 0,6 e 0,9%) à dieta das codornas. Aos 42 dias do início do experimento, será iniciado a coleta total de excretas para posterior análises, juntamente com as dietas e do RPV. Com os resultados, o coeficiente de digestibilidade aparente e o valor de energia metabolizável aparente serão determinados. Ao final do período experimental, amostras dos segmentos intestinais serão coletados para microscopia óptica. As lâminas confeccionadas serão fotografadas e medidas quanto à altura, largura e perímetro dos vilos, a profundidade da cripta e a área de superfície de absorção. Para a realização das medidas, será utilizado um software e, posteriormente, os dados serão submetidos à análise de variância. 
 
2. Objetivos

Avaliar o efeito da inclusão de resíduo de própolis vermelha na dieta de codornas japonesas sobre a utilização dos nutrientes e da energia das rações, bem como sobre a morfometria intestinal. Determinar os coeficientes de digestibilidade da matéria seca, proteína bruta, fibra bruta e extrato etéreo, a retenção dos minerais cálcio e fósforo, e os valores de energia metabolizável aparente das rações contendo o resíduo de própolis vermelha. Determinar a altura, perímetro e largura dos vilos, a profundidade das criptas e a superfície de absorção nos três segmentos intestinais (duodeno, jejuno e íleo). 

3. Resultados esperados

Espera-se que o RPV possa ser incluído nas dietas de codornas por melhorar a utilização dos nutrientes bem como aumentar a superfície de absorção intestinal nas aves e, consequentemente, melhorar a produtividade das aves. É um material que normalmente é descartado no meio ambiente e que pode ser aproveitado pelos animais, pois possui ainda substâncias com atividade biológica, como flavonoides e fenóis, gerando produtos disponíveis para consumo de melhor qualidade. 

4. Contribuições e reflexões do projeto

No preparo do extrato de própolis é comum que aproximadamente 90% da própolis bruta utilizada seja descartada como resíduo. Assim, o RPV é um material que normalmente é descartado no meio ambiente e que pode ser aproveitado pelos animais, pois possui ainda substâncias com atividade biológica, como flavonoides e fenóis. Se o uso do resíduo de própolis fosse mais intensivo na alimentação animal, poderia ser um gerador de mais renda ao apicultor, além de diminuir os custos de alimentação e produção das diferentes espécies.
 
A contribuição para a formação da acadêmica será no sentido de despertar o interesse e a vocação para a pesquisa científica, capacitar na solução de problemas, incrementar sua capacidade de redação científica e facilitar seu ingresso em cursos de pós-graduação. 
 

 


NOSSOS CAMPUS
Campus Rio Verde
Fazenda Fontes do Saber,
Caixa Postal 104
Cep: 75901-970 - Rio Verde - Goiás Atendimento:
7h às 11h - 13h às 17h - 19h às 22h
Campus Aparecida
Avenida das Palmeiras, chácaras 26 E 27,
Jardim dos Buritis
CEP: 74923-590
Atendimento:
7h às 11h - 13h às 17h

Campus Caiapônia
Av. Ministro João Alberto, 310,
Nova Caiapônia, CEP: 75.850-000
Caiapônia - Goiás
Atendimento:
7h às 11h - 13h às 17h - 19h às 22h
Campus Goianésia
Rua 12, nº 288, Setor Sul, Prédio Sec. Mun. de Educação, 2º andar
Goianésia - Goiás
Cep: 76.380-000
Atendimento:
7h às 11h - 13h às 17h