» SENSOR DE ÓXIDO NÍTRICO UTILIZANDO MICROESFERAS DE QUITOSANA
 
1. O projeto
 
É um projeto de pesquisa realizado pelas acadêmicas do sétimo período da Faculdade de Medicina da Universidade de Rio Verde - UniRV, Jamile Cristine Ferreira (autora principal) e Andréa Cruvinel Rocha Silva sob a orientação do professor Dr. Jair Pereira de Melo Júnior. Através da geração de microesferas de quitonsana, pretende-se aprisionar o NO em complexos ferrosos pela técnica conhecida como “spin-trapping”. A quantificação das moléculas de NO será feita por meio da ressonância paramagnética eletrônica e a análise ótica pela espectroscopia UV-Vis. A ideia é o desenvolvimento de um sensor para NO a partir do encapsulamento de complexos de Fe2-DETC em matrizes de quitosana. O sensor que propomos é inédito com possibilidades de gerar patente, sua produção já é um fato consumado e estudado extensivamente. Agora, propomos otimizar o sensor para a sua aplicação biológica utilizando uma matriz polimérica, que tem sido utilizada como dispositivo de liberação controlada de fármacos.
 
2. Objetivos
 
Desenvolver um sensor para óxido nítrico a partir do encapsulamento de complexos de Fe2+-DETC em matrizes de quitosana. Além avaliar resposta da quitosana como sensor de NO, determinar o limite de detecção do sensor e verificar sua eficiência como dispositivo de liberação controlada do NO.
 

3. Resultados esperados

A produção de sensores com aplicações biológicas vem crescendo nos últimos anos em virtude da necessidade de compreender processos metabólicos relacionados à algumas moléculas, que normalmente são instáveis, de difícil detecção e quantificação. Em se tratando do óxido nítrico a repercussão de um sensor capaz de quantificá-lo sem dúvida trará uma contribuição significativa para desvendar uma série de mecanismos fisiológicos atribuídos a ele, mas que ainda são apenas hipotéticos.
Vale salientar que, o grupo Biomat já desenvolveu tal sensor a partir de matrizes poliméricas pelo processo sol gel, entretanto, o limite de detecção ainda precisa ser otimizado. Embora tenhamos alcançado a escala fisiológica, a sensibilidade e limite de detecção pode chegar ainda na escala de “pmols” permitindo o monitoramento do NO em tempo real. Para tanto, é necessário substituir a matriz sol-gel por outro biomaterial, nessa direção optou-se pela quitosana por ser bioativa e biocompatível. Espera-se com a quitosana aumentar a sensibilidade e estabilidade do sensor melhorando as condições de aplicação ótica por ser um dispositivo transparente. 
 
4. Contribuições e reflexões 
 
Este estudo mostra-se relevante, uma vez que os possíveis resultados gerarão grupos de discussão através de seminários pertinentes ao entendimento de todo processo, desde a fabricação do sensor até suas aplicações práticas. A contribuição para a comunidade científica será feita através da publicação dos resultados em forma de artigo científico e resumo completo em anais de congresso, enfatizando o maior evento da UniRV que é o Cicurv. Além disso, a pesquisa possibilitará o crescimento pessoal e acadêmico e principalmente a contribuição para a formação profissional das discentes participantes.

NOSSOS CAMPUS
Campus Rio Verde
Fazenda Fontes do Saber,
Caixa Postal 104
Cep: 75901-970 - Rio Verde - Goiás Atendimento:
7h às 11h - 13h às 17h - 19h às 22h
Campus Aparecida
Avenida das Palmeiras, chácaras 26 E 27,
Jardim dos Buritis
CEP: 74923-590
Atendimento:
7h às 11h - 13h às 17h

Campus Caiapônia
Av. Ministro João Alberto, 310,
Nova Caiapônia, CEP: 75.850-000
Caiapônia - Goiás
Atendimento:
7h às 11h - 13h às 17h - 19h às 22h
Campus Goianésia
Rua 12, nº 288, Setor Sul, Prédio Sec. Mun. de Educação, 2º andar
Goianésia - Goiás
Cep: 76.380-000
Atendimento:
7h às 11h - 13h às 17h