img
18JAN2018

Palácio da Intendência será mantido pela UniRV


Conforme o projeto de lei Nº 104/2017, aprovado nas sessões ordinárias da Câmara Municipal, fica autorizado, pelo Poder Público, a concessão do prédio da antiga Cadeia Pública “Palácio da Intendência” para a Universidade de Rio Verde – UniRV. Nesta quinta-feira, 18, o prefeito de Rio Verde, Paulo do Vale fez a entrega da chave ao Reitor da UniRV, professor Dr. Sebastião Lázaro Pereira.

Com a sanção do prefeito, o projeto torna-se Lei Municipal Nº 6.747. Segundo o Reitor, o Palácio da Intendência é um patrimônio histórico e do povo, diante disso, a Universidade tem o papel de estimular a cultura não só dos acadêmicos, mas de toda a população rioverdense. À ocasião, também foi assinado um termo de ciência das vistorias realizadas.

Participaram do Encontro, a Pró-Reitora de Extensão e Cultura, professora Ma. Vanessa Renata Molinero de Paula; o Pró-Reitor de Administração e Planejamento, professor Me. Alberto Barella Netto e o superintendente de Desenvolvimento Urbano (SUDERV), Luiz Carlos Favero. 

Na próxima quarta-feira, 24, representantes da UniRV participarão de visita ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) para saberem mais detalhes de como será realizada a restauração do Palácio.

História

Construído em 1885, o Palácio da Intendência é patrimônio histórico do município e já serviu de Cadeia Pública, onde teve como preso o ilustre Pedro Ludovico Teixeira, apreendido na Revolução de 30.

Segundo o site da Prefeitura de Rio Verde, a estrutura original continha um alçapão que servia de entrada para a cela de segurança máxima, e salas destinadas aos praticantes de pequenos delitos. Também contava com cela feminina e um alçapão entre as duas primeiras, que servia de solitária. No piso superior, além das sessões do Júri, eram realizados bailes.

O prédio também serviu como Fórum e Sede da Independência e Intendência Municipal. O monumento foi tombado como patrimônio histórico no dia 14 de junho de 1984, pela da Lei municipal Nº 1933/84.

Commentários

Adicionar Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos Obrigatórios *